domingo, 26 de abril de 2015

VERITAS



A verdade não libertará!
-Conspiração estúpida, teoria inútil para delírio de loucos

Em tempo hábil, notícias falsas viram manchetes fáceis
digestivas
E a verdade dorme toda encolhida
sob lençóis
As vezes aparece, encalhada numa praia, 
em classificados
num site
num sítio do interior
Então é esfolada viva, até virar mentira
Motivo de riso, foco desviado
- fotografam sempre seu melhor lado-

Relativa, manipulada, instituída
A verdade vibra sob arquibancadas,
pulsa calada em bastidores e repartições
A verdade é uma espinha de peixe na goela do engasgado
Não passa na alfândega
É pouco usada, é proibida, ultrapassada
Para ela, a melhor mordaça

A verdade não é servida no café da manhã
Quem ousar dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade
Terá sua língua arrancada
E exibida ao mundo
Em tempo real.
 



 

5 comentários:

Unknown disse...

De cara... me arrepiei. Verdade. Juro...

Touché Lopes disse...

Saramago disse bem: "O tempo das verdades plurais acabou. Vivemos no tempo da mentira universal. Nunca se mentiu tanto. Vivemos na mentira, todos os dias.".e seu poema é uma triste constatação..parabéns pelo talento..Paz e poesia !!..Conheci o seu blog através do fanzine De Cara com a Poesia...

Touché Lopes disse...

Saramago disse bem: "O tempo das verdades plurais acabou. Vivemos no tempo da mentira universal. Nunca se mentiu tanto. Vivemos na mentira, todos os dias.".e seu poema é uma triste constatação..parabéns pelo talento..Paz e poesia !!..Conheci o seu blog através do fanzine De Cara com a Poesia...

Ester Lemos disse...

Muito grata pela visita. Apareça sempre. Abraço!

Ester Lemos disse...

Muito grata pela visita. Apareça sempre. Abraço!