domingo, 6 de novembro de 2011

SECO

Carnes duras na manhã de cimento
pés descalços
com a fome de todos os dias
sem a euforia necessária ao grito
Tudo se cala
somente o silêncio de um urubu
em móbile de fios de nylon
Nesse céu de sabão em pó

(Ezter Liu)

4 comentários:

Jura Arruda disse...

A justeza de sempre no ritmo e as palavras cheias de imagens sempre. Adoro ler você, minha amiga. Escreva mais! Sempre mais! Beijabraço cheio de saudades.

Ezter Liu disse...

Ruborizei, Jura Arruda. Muito grata, beijo grante pra tu com saudades também.

Josias de Paula Jr. disse...

Bom para danar! Sem mais. Sem mais mesmo. O resto é silêncio.

Pedaços nada Íntimos disse...

Completamente belo e visual!