quinta-feira, 11 de junho de 2009

Diga

como poderiam ser as coisas... como? em que galeria ou bar... em que ônibus? em que esgoto ou cabaré encontraria... onde?.. em que fresta... fenda... em que estante? misturado com musgo ou lama? quem sabe marcando páginas... quem sabe peso de papel... o tempo... as cores todas de todas as coisas... os fatos... a vergonha o véu. todos os fatos. todos. misturados na cabeça quase não oca. quase. a tarde é lenta... inspiro o cheiro do caju... tinjo o olfato... inspiro idéias medos pessoas chocolates cafés amargos... inspiro... sou o meu entorno sou o meu umbigo meu desejo... sou minhas unhas encravadas... nem sei mais o que seria? o quê? anáguas... ceras... sofás... vestidos carmim? saltos... propostas... invasão? talvez assentamento... como findar? no ocaso... na paisagem? na porta de trás... no beco? como? na ciranda... no adro? no meio fio escarpado? não sei... como findar? –diga.

4 comentários:

Josias de Paula Jr. disse...

Finda-se sendo exatamente o que se é...

Pedaços nada Íntimos disse...

lindo Liu!
beijos.

Ezter Liu disse...

É isso aí gente, prosaica e cheia de entrelinhas... tem coisas que simplesmente saem. Beijos, grata pelos comentários.

lingua disse...

eu me vejo inserido...neste contexto abstrato e cheio de revelações!!sangue de palavras q jorra de feridas de arte e poesia!!lindo!!sou fã...né amor!!!